Páginas

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Tão marcante que dói

Comecei a ler Homem Invisível, de Ralph Ellison, um verdadeiro clássico sobre o preconceito racial. Logo no primeiro parágrafo do Prólogo, lamentei muito que ninguém que eu conhecesse na época do meu mestrado tivesse me recomendado o livro. Porque a definição que ele faz da sua invisibilidade cai perfeitamente com o conceito de estigma. Se não pudesse usar o livro todo, pelo menos usaria esse começo, nem que fosse apenas como uma Epígrafe.

Sou um homem invisível. Não, não sou um fantasma como os que assombravam Edgar Allan Poe; nem um desses ectoplasmas de filme de Hollywood. Sou um homem de substância, de carne e osso, fibra e líquidos - talvez se possa até dizer que possuo uma mente. Sou invisível, compreendam, simplesmente porque as pessoas se recusam a me ver. Tal como essas cabeças sem um corpo que às vezes são exibidas nos mafuás de circo, estou, por assim dizer, cercado de espelhos de vidro duro e deformante. Quem se aproxima de mim vê apenas o que me cerca, a si mesmo, ou os inventos de sua própria imaginação - na verdade, tudo e qualquer coisa, menos eu.
Minha invisibilidade também não é, digamos, o resultado de algum acidente bioquímico da minha epiderme. A invisibilidade à qual me refiro ocorre em função da disposição peculiar dos olhos das pessoas com quem entro em contato. Tem a ver com a disposição de seus olhos internos, aqueles olhos com que elas enxergam a realidade através dos olhos físicos. Não estou reclamando nem protestando. Às vezes é até vantajoso não ser visto, embora quase sempre seja desgastante para o sistema nervoso.
p.7

Com uma leitura tão interessante, fui logo para as páginas seguintes. E o que se seguiu no primeiro capítulo foi tão forte, doloroso e exagerado, que estou na dúvida se prossigo. Um grande livro, sem dúvida. Mas é daqueles que colocam o dedo na ferida, escancaram, não poupam o leitor. Não sei se quero, não sei se consigo.

6 comentários:

  1. ?????

    Me espanta essa sua reação: encontra um livro que te espanca, e duvida se aguentará lê-lo?

    "Só merecem ser lidos os livros feitos de sangue." Nietzsche.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu sei que não é coerente. Mas é que o primeiro capítulo doeu tanto...

      Excluir
  2. Mateix4:50 PM

    Imagine cada página como se fosse um dia, ler um livro é como viver, a única diferença é que se pode viver varias vezes...

    ResponderExcluir
  3. Matheus T. Lopes9:20 PM

    Me deu vontade de colocá-lo no topo da lista de espera, Caminhante, isso sim!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois leia, a intenção era essa!

      Excluir

Desande aqui

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.